Pular para o conteúdo principal

Cannes - Seleção Oficial



O Festival de Cannes anunciou ontem em Paris a seleção oficial dos filmes que disputarão a Palma de Ouro. Entre os 18 filmes em competição estão ‘Happy End’ de Michael Haneke, duas vezes vencedor da Palma de Ouro, com ‘A Fita Branca’ (2009) e ‘Amour’ (2012); o novo filme de Sofia Copolla remake do drama de 1971, ‘O Estranho que nós Amamos’ e os novos trabalhos de François Ozon e Yorgos Lanthimos.

Cannes continua a ser uma importante janela de exibição para produções audiovisuais oriundas de outras plataformas, pela primeira vez a Netflix marca presença na competição com ‘Okja’ do sul-coreano Bong Joon-ho e ‘The Meyerowitz stories’ de Noah Baumbach e a Amazon volta a competir com o novo trabalho de Toddy Haynes ‘Sem Fôlego’ (Wonderstruck). Fora da competição David Lynch faz a estreia mundial da nova temporada de ‘Twin Peaks’ e Jane Campion apresenta a nova temporada de ‘Top of the Lake’.

O Brasil marca presença no festival com o curta-metragem ‘Vazio do Lado de Fora’ do diretor Eduardo Brandão Pinto selecionado para a mostra Cinéfondation, mostra competitiva dedicada a obras universitárias.

A 70º edição do Festival de Cannes acontecerá de 17 a 28 de maio e terá o cineasta espanhol Pedro Almodóvar como Presidente do Júri.


Filme de Abertura

Les Fantomes D’Ismael (Arnaud Desplechin)

Competição

Happy End (Michael Haneke)
Okja (Bong Joon-ho)
The Meyerowitz stories (Noah Baumbach)
L’Amant Double (François Ozon)
The Killing of a Sacred Deer (Yorgos Lanthimos)
Sem Fôlego (Todd Haynes)
You Were Never Really Here (Lynne Ramsay)
Loveless (Andrei Zvyagintsev)
Good Time (Bennie Safdie e Josh Safdie)
A Gentle Creature (Sergei Loznitsa)
Radiance (Naomi Kawase)
In the fade (Fatih Akin)
The Day After (Hong Sangsoo)
Jupiter’s moon (kornél Mundruczó)
Rodin (Jacques Doillon)
120 battements par minute (Robin Campillo)
Le redoubtable (Michel Hazanvicius)

Fora de Competição

How to talk to girls at parties (John Cameron Mitchell)
Visages, Villages (Agnès Varda e JR)
Mugen Non Junin (Takashi Miike)

Um Certo Olhar (Un Certain Regard)

Wind River (Taylor Sheridan)
Las Hijas de Abril (Michel Franco)
Sanpo Suru Shinryakusha (Kiyoshi Kurosawa)
Barbara (Mathieu Amalric)
L’Atelier (Laurent Cantet)
Fortunata (Sergio Castellito)
Western (Valeska Grisebach)
La Novia Del Desierto (Cecilia Atan e Valeria Pivato)
Tesnota (Kantemir Balagov)
Posoki (Stephan Komandarev)
Aala Kaf Ifrit (Kaouther Bem Hania)
En Attendant Les Hirondelles (Karim Moussaoui)
Apres La Guerre (Annarita Zambrano)
Out (Gyorgy Kristof)
Lerd (Mohammad Rasoulof)
Jeune Femme (Leonor Serraille)

Sessões da Meia-Noite

Bulhandang (Byun Sung-Hyun)
Ak-Nyeo (Jung Byung-Gil)
A Prayers Before Dawn (Jean-Stephane Sauvaire)

Realidade Virtual (Instalação / Exibição)

Carne y Arena (Alejandro G. Iñarritu)

Eventos Especiais para o 70º Aniversário

Twin Peaks (David Lynch)
24 Frames (Abbas Kiarostami)
Come Swim (Kristen Stewart)
Top of the Lake: China Girl (Jane Campion e Ariel Kleiman)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A cueca sumiu

Quando as primeiras imagens do ator Henry Cavill, o novo interprete de Superman no set de filmagem vazaram começou o burburinho.  O novo uniforme do super-herói passou por uma reformulação e a clássica cueca vermelha desapareceu. Mas antes da cueca desaparecer ela já dava pano pra manga. Quem não se lembra da polêmica no volume peniano do ator Brandon Routh (Superman: O Retorno), que segundo os produtores teve que ser reduzido digitalmente porque poderia distrair os espectadores, mais tarde quando foram divulgadas fotos do ator usando cueca vimos que ele não é tão “super” assim. Mas antes de discutirmos porque o Superman perdeu a cueca, vamos descobrir porque ele a usava e por cima da calça. 







Nas décadas de 30 e 40 começaram a surgir os super-heróis, os artistas tinham algumas dificuldades para destacar detalhes masculinos e femininos e demostrar o poder e a força dos personagens, isso se devia as limitações técnicas da época como a qualidade do papel e a impressão que era feita em pre…

O carnaval vai ao cinema

O carnaval é a maior festa popular do país é muito mais do que um simples festejo, é um traço identitário da cultura brasileira.  A festa brasileira, luso-afro-ameríndia , sofreu influências da França, Itália, Portugal e se expressa de diferentes maneiras nas distintas regiões do país. Seja  com a escola de samba, o frevo, o maracatu, Timbalada, os blocos de rua, trio elétricos, carnaboi ou o boi-bumbá, durante quatro dias música, dança, costumes e tradições se misturam para celebrar os Brasis ao mesmo tempo em que promove a inclusão e interação, despertando o sentimento de unidade, de nação que muita das vezes é esquecido ou ignorado com o término da festa. Dada a sua importância para a cultura brasileira, o carnaval, o maior teatro de rua do país, curiosamente é pouco ou não é representado nas manifestações artísticas, com exceção da música. Embora o cinema tenha tido papel importante para a disseminação da música carnavalesca, hoje explora pouco a temática, sendo a maior parte das …

Cannes 2016 - Um certo Olhar - Vencedores

Os vencedores do Um Certo Olhar do Festival de Cannes foram anunciados neste sábado (21). O drama finlandês "The Happiest Day in the Life of Olli Maki", trabalho de estreia do diretor Juho Kuosmanen foi o grande vencedor. 
O japonês "Harmonium" dirigido por Koji Fukada ganhou o prêmio do júri, Capitão Fantástico de Matt Ross levou o prêmio de Direção e a animação "A Tartaruga Vermelha" ficou com o prêmio especial do júri. O júri Um Certo Olhar foi presidido pela atriz Marthe Keller. 
A premiação dos filmes na Seleção principal acontece no domingo (22) durante a cerimônia de encerramento. 




Prêmio Um certo Olhar: THE HAPPIEST DAY IN THE LIFE OF OLLI MAKI (Juho Kuosmanen) Prêmio do Júri: HARMONIUM (Koji Fukada) Prêmio de Melhor Diretor: Matt Ross por CAPITÃO FANTÁSTICO Prêmio de Melhor Roteiro: Delphine Coulin, Muriel Coulin por VOIR DU PAYS Prêmio Especial Um Certo Olhar: A TARTARUGA VERMELHA(Michael Dudok de Wit)